19 de dez de 2011

Grupo Cine Narrativas no bistrô do Odeon

Na última quarta-feira, dia 14 de dezembro, o grupo Cine Narrativas comemorou no bistrô do Cinema Odeon o encerramento de um ano de muita felicidade e sucesso com direito a sobremesas deliciosas, amigo oculto de filmes e agradável papo...


O momento descontraído marcou o final das atividades deste ano de 2011. Em 2012 estaremos compartilhando mais novidades... Aguardem!

Boas festas e feliz 2012 para todos que acompanham nosso trabalho! 

Érica Rivas Gatto e toda equipe do Cine Narrativas.

4 de dez de 2011

V Seminário Internacional de Cinema e Educação

Nos dias 28 e 29 de novembro aconteceu o V Encontro Internacional de Cinema e Educação da UFRJ organizado pelo CINEAD - grupo de pesquisa da prof Adriana Fresquet - que aconteceu na Cinemateca do MAM. Pudemos assistir produções audiovisuais de alunos, projetos que trabalham com cinema na rede publica, ouvir educadores que já realizam trabalhos com o cinema em suas práticas cotidianas e até mesmo uma jovem do Cinema Nosso falar sobre sua experiencia no projeto e o que ele significou em sua vida e formação. O encontro encerrou com a palestra do professor Alain Bergala, a partir do qual vários dos projetos se basearam, apresentou um pouco de sua metodologia de trabalho com o cinema nas escolas de ensino fundamental. Defendeu que o trabalho com o cinema pode ser feito com crianças desde a educação infantil trazendo sempre trechos de filmes que possam dialogar entre si favorecendo a percepção de como um mesmo tema pode ser tratado por diferentes diretores.
 Esse tipo de evento é relevante não apenas para nossa pesquisa mas para os campos em que trabalhamos pois entendemos que este seja o momento de olharmos e pensarmos junto com as pessoas e grupos de pesquisa diferentes campos e formas de enxergar o diálogo entre o cinema e a educação.

Por: Thamyres Dalethese.

20 de nov de 2011

IV ENCONTRO COM PESQUISADORES

No dia 17 de outubro o programa de pós-graduação da UniRio realizou a palestraRepensando metodologia participativa e pesquisa-ação em educação” com o sociólogo  Michel Jean-Marie Thiollent, que ocorreu dentro da III Semana de Educação.
Thiollent que trabalha com  a pesquisa-ação como estratégia metodológica há mais de 60 anos, encontra apoio em várias meta-teorias, mas não se confunde com elas, como: teoria da práxis, teoria crítica, existencialismo, fenomenologia, pragmatismo e construtivismo social. Segundo ele, a pesquisa-ação não é compatível com o estruturalismo ou com outras concepções que não reconhecem o sujeito da ação. Há um fundo prático na pesquisa-ação que dá conta das ações dos atores numa mesma situação problemática. O sociólogo e escritor de vários livros com esta temática afirma que deve-se evitar o fechamento doutrinário. Outra característica da pesquisa-ação é a forte interação entre pesquisadores, atores e membros da situação investigada.
Estas contribuições de Thiollent são de extrema valia nesse momento em que estamos refletindo sobre as perspectiva teórico-metodológica das pesquisas realizadas em nosso grupo. Segundo Thiollent, os pesquisadores devem ter especial atenção à metodologia para que a pesquisa seja reconhecida e possa contribuir com os estudos sociais. 

Relatoras: Mirna, Kelly e Érica

14 de nov de 2011

Caminhadas na pesquisa

    Continuando nossa caminhada na pesquisa, informamos que estamos envolvidos em   mais um acontecimento, a saber: a aplicação de questionários sobre o perfil do público do CINE CCH, feito em parceria com as alunas Miquelina, Nilcéia, Renata e Tatiana do quarto período de Pedagogia (UNIRIO) no campo do ensino superior e na realização de entrevistas nos campo dos Ensino médio e fundamental. Muitos desafios pensar nas entrevistas e nas questões e modos de aplicação do questionário... Nesse percurso buscamos uma troca com alguns integrantes de outro grupo da UNIRIO coordenado por Carmen Sanches para compartilhar as dúvidas do processo  e os desafios dos registros e transcrições nesse momento da pesquisa. 
     Com certeza muitos caminhos abrirão-se a nós com um olhar atento ao que nos dirão crianças e jovens da pesquisa!

por Renata e Adriana

31 de out de 2011

IX Colóquio Nacional e II Colóquio Internacional do Museu Pedagógico - “Desafios epistemológicos na atualidade”.

Foram realizados na UESB, em Vitória da Conquista-BA, de 05 a 07 de Outubro de 2011, o IX Colóquio Nacional e o II Colóquio Internacional do Museu Pedagógico -  “Desafios epistemológicos na atualidade”

Destaco o colóquio temático : "O processo de formação em cinema audiovisual", coordenado por Prof. Dra. Milene de Cássia Silveira Gusmão (UESB) e Dra. Rosália Maria Duarte (PUC-RJ), do qual participei e realizei a apresentação do trabalho "O Cinema e a Narrativa de Jovens Universítários na UNIRIO: Observações Iniciais do projeto Cine CCH", elaborado junto com as colegas Érica Rivas e Thamyres Dalethese.
As Prof.ª Milene Gusmão, Rosália Duarte, Adriana Fresquet e Mariza Guerra constituíram a mesa temática "Cinema, Memória e Educação: entre reflexões, práticas e trajetórias sociais". Com o objetivo de ampliar a discussão do assunto, a mesa teve como tema o debate acerca das diferentes iniciativas na área de formação em cinema e audiovisual, que estão em curso hoje no país, bem como práticas antecedentes. Foram apresentadas investigações e relatos de experiência sobre dinâmicas de formação que foram capazes de informar trajetórias e práticas tanto da perspectiva do ensino em escolas, organizações não governamentais e cursos de formação profissional de nível médio e superior, como de estudos sobre processos não-formais a exemplo dos cineclubes, das mostras e festivais, entre outros.

A experiência de apresentar um trabalho em uma universidade de outro estado, na presença das nossas referências bibliográficas, foi um estímulo para que eu permaneça motivada a pesquisar, estudar e aprender. Além do prazer em conhecer a UESB, e ver de perto os efeitos do projeto Janela Indiscreta, coordenado por Milene Gusmão.
Por Maysa Lopes.



21 de out de 2011

Notícias da 34ª Reunião Anual da ANPED

A ANPED dessa vez teve como marco a rotatividade geográfica e ocorreu no Centro de Convenções de Natal. O evento contou com extensa programação acadêmica e cultural do dia 02 à 05/10.
Destacamos as atividades do GT 16 Educação e Comunicação referência do nosso campo de pesquisa e da nossa orientadora Profª Adriana Hoffmann. O GT reuniu pesquisadores das diversas universidades brasileiras que pesquisam a temática referente às mídias e destacou-se a questão da cibercultura nos vários trabalhos apresentados sobre o tema em diferentes perspectivas teóricas. Destacamos nesse sentido o Mini-Curso “Pesquisa e Formação em Tempos de Cibercultura: desafios para a educação” ministrado pela professora Edméa Santos da UERJ, pelas Sessões Especiais e pelos Pôsteres.
Foi importante a nossa participação nessa Reunião, pelo processo em que caminhamos enquanto mestrandas, de aprofundar nossas pesquisas, ampliar questões acadêmicas da teoria e prática a partir de pesquisas já concluídas e em andamento que foram apresentadas, construindo e resignificando sentidos e experiências com pesquisadores e estudantes de pós-graduação de todo o Brasil. Uma experiência muito significativa em nossa formação como pesquisadoras!
Mas Natal é encantador e irresistível! Tivemos tempo para desfrutar das belezas naturais, realizando o tradicional passeio de buggy entre as praias e as dunas, nos deslumbrar com o artesanato local e desfrutar de um delicioso almoço com a professora Adriana e amigos.
Kelly e Erica

6 de out de 2011

3º Cineducando- Cinema, educação e bullying

       De 20 a 23 de setembro, as mestrandas Érica e Kelly participaram da oficina para professores “O uso do audiovisual em sala de aula”, ministrada pela equipe do Cineduc, que fez parte do 3º Cineducando- Cinema, educação e bullying, na Caixa Cultural do Rio de Janeiro.
         Através de reflexões sobre a construção das linguagens audiovisuais e da leitura crítica de filmes e vídeos, Alexandre Guerreiro e Bete Bullara ampliaram o olhar e os conhecimentos sobre a linguagem cinematográfica de todos nós, professores ali presentes em busca de pensar o cinema na sala de aula como leitura crítica das obras audiovisuais, abrindo possibilidades de ir além do uso restrito do texto fílmico como conteúdo.
         “O olhar ativo, ao contrário, é o olhar de quem vê o mundo com atenção, de quem busca, de quem pretende compreender ou simplesmente apreciar o que o mundo exterior proporciona. Este é o olhar do sábio, do cientista e do artista, das pessoas que transformam o que percebem em ideias, conhecimento, poesia, arte.”
Bete Bullara- Cineduc.
         O Cineduc vem desenvolvendo atividades na área do Cinema e educação há 41 anos, quem quiser conferir mais acesse: http://www.cineduc.org.br/ .

Érica Rivas e Kelly Maia

27 de set de 2011

SOCINE - Imaginários (In) visíveis...

 
Este foi o tema do XV SOCINE realizado nos dias de 20 a 24 de setembro na cidade do Rio de Janeiro, escolhida “por refletir, como outros grandes centros urbanos do país, o trânsito e reconfiguração do campo do cinema e audiovisual...” (http://www.eco.ufrj.br/socine2011/apresentacao.php)

Participamos de diferentes momentos deste evento, o que significou a oportunidade de dialogar com diferentes pesquisas sobre cinema e audiovisual nas múltiplas dimensões em que estes se apresentam hoje na sociedade, estendendo as reflexões no grupo da pesquisa, tecendo conexões com as nossas pesquisas individualmente.

As propostas de debate giraram em torno do adensamento teórico metodológicos, andamento de pesquisas, primeiras impressões de um campo, desafios de análise de dados, resultados finais, são algumas das proposições do evento, que contou com Seminários Temáticos, Mesas Temáticas, Painéis entre outros que movimentou todos esses dias na UFRJ.  

A foto que segue é da Mesa Temática: Cinema e Educação – Pesquisas em diferentes contextos educativos coordenada pela professora Adriana Hoffmann Fernandes com a presença dos professores Pedro Garcia e Adriana Hoffmann expondo a pesquisa sobre cinema no campo do ensino médio e na  Universidade e a mestranda Clarice Nanchery sobre pesquisa com cinema na Educação Infantil.
Na tarde de quarta-feira tivemos a oportunidade de conhecer e de nos encantar com a arte produzida por André Parente e Katia Maciel, ambos da Eco/UFRJ, no Seminário Temático: “Cinema como arte e vice-versa”. Katia, em seu trabalho com imagens fixas em movimento em bases fotográficas, nos fez refletir com uma frase que nos marcou em sua apresentação: "Como podemos habitar as imagens já que somos tão habitados por elas?"

 Mesa com mestranda Clarissa Nanchery, prof Pedro Garcia e prof Adriana Hoffmann

Outro momento vivido foi o lançamento dos livros dos autores Miguel Lopes e Inês Assunção de Castro com o "Juventude vai ao cinema" e "Crianças, Cinema e Educação: além do arco-íris" de Monica Fantin

 Encontro de Adriana Hoffmann com os autores Miguel Lopes e Monica Fantin no lançamento de seus livros.


Érica Rivas
Kelly Maia

31 de ago de 2011

Cine CCH volta com tudo das férias

No dia 22 de agosto, o Cine CCH retornou das férias com tudo!

A sessão do filme "Minha vida em cor de rosa", de Alain Berliner, lotou o auditório Vera Janacópulus-UNIRIO (excepcionalmente), que possui 200 lugares.

Após o filme, foi exibido o curta de Victor Junger e Juliana Damiani: "O que você faria? Conversas de estudantes do CCH sobre diversidade sexual, preconceito e universidade" que fez o auditório em peso ovacionar a iniciativa dos alunos de Graduação em Pedagogia por produzirem o vídeo.

Os participantes parabenizaram a professora Adriana Hoffmann por trazer, por meio de sua pesquisa e do cineclube, o assunto tratado nos filmes para debate.

Alunos e professores do CCH e de outros centros estavam presentes, e a Equipe do Cine CCH contou com a enorme ajuda de Victor Junger para divulgação do evento.

O Cine CCH é um Projeto de Extensão vinculado à pesquisa O cinema e as narrativas de crianças e jovens em diferentes contextos educativos, atendendo ao campo da pesquisa referente ao ensino superior.

Maiores informações sobre o Cine CCH estão no blog disponível em: http://cinecch.blogspot.com Comentários sobre os filmes e debates, além das programações e divulgação das próximas sessões podem ser obtidos neste endereço.

Mirna Juliana

19 de ago de 2011

Campo do Ensino Fundamental no Fórum Pensar a Infância - FICI

Hoje participamos do Fórum Pensar a Infância, que integra a 9ª edição do Festival Internacional de Cinema Infantil  (FICI), no Cinemark Downtown.
Pela manhã participamos com as crianças da Escola Municipal José Emygdio de Oliveira, nossos sujeitos de pesquisa e alunos da Profª Érica, da sessão do filme  “O Pequeno Nicolau” apresentado pelo diretor-presidente da Imovision Jean Thomas Bernardini e de uma conversa com o roteirista do filme, Grégoire Vigneron.  As crianças vibraram com o filme e realizaram várias perguntas ao roteirista! Que emoção ao ver  e sentir o encantamento no olhar e nas palavras dos alunos e alunas com o cinema...
Na parte da tarde participamos da Aula Magna: A infância como protagonista da narrativa, com Grégoire Vigneron sobre “o processo criativo de escrita do filme - adaptação do livro Le Petit Nicolas, de Jean-Jacques Sempé e René Goscinny – em cuja narrativa a infância é protagonista da história. A partir do ponto de vista do menino Nicolau, se descortina um mundo capaz de fascinar o espectador, tenha ele 8 ou 80 anos. Nicolau e seus amigos têm características que encontramos em crianças de qualquer tempo e em qualquer lugar. “

Vejam algumas fotos desse dia maravilhoso, onde aprendemos muito, principalmente com as crianças!
                                     Momento das perguntas ao roteirista Grégoire Vigneron...

                                       Aula Magna: A infância como protagonista da narrativa...
                                          
                                Renata, Érica e Profª Adriana Hoffmann no Cinemark Downtown.

Por Érica Rivas Gatto e Renata Costa Ferreira

17 de ago de 2011

Dia dedicado à pesquisa de campo no Ensino Médio Integrado (EMI)

Hoje avançamos mais um passo em nossas pesquisas: estivemos pela manhã no Colégio Estadual Pedro II, em Petrópolis, assistindo e debatendo o filme “Ensaio sobre a Cegueira”, uma adaptação do livro de José Saramago, com a direção de Fernando Meirelles sob a coordenação dos professores Adriana Hoffmann e  Pedro Garcia com a presença das professoras do colégio, alunos e outras orientandas da UCP.

Na parte da tarde a equipe de pesquisa se reuniu na Universidade Católica de Petrópolis (UCP) para organizar todo material sobre  o campo que temos arquivado e os próximos passos da sistematização desse material. Muito trabalho que trouxemos na bolsa neste dia intenso e produtivo, mas deu tempo para registrar nossa visita na UCP:

Kelly Maia, prof Adriana Hoffmann e Maysa Lopes em frente à UCP.



Por Kelly Maia e Maysa Lopes

30 de jul de 2011

Palestra Anima Escola 10anos


A mestranda Érica e a graduanda Renata estiveram no dia 22 de julho na palestra Anima Escola 10 anos, que encerrou as atividades do Anima Forum 2011, do festival Anima Mundi que aconteceu de 15 a 24 deste mês no Rio de Janeiro.
A palestra comemorou e relembrou os 10 anos de trajetória do projeto que se constitui através de parcerias com a IBM e a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. A mesa contou com a participação de Marcos Magalhães, diretor do projeto, Joyce Prado, da IBM, parceria que deu origem a criação do MUAN, sistema open source para animação, Simone Monteiro, gerente de mídia-educação da SME-RJ e Amália Araújo, professora de sala de leitura do CIEP Presidente Agostinho Neto.
O Anima Escola leva cursos e oficinas a alunos e professores para que possam criar seus próprios filmes de animação. Marcos Magalhães afirmou no documentário apresentado que o Anima Escola nasceu da certeza que nós do Anima Mundi tínhamos da importância da linguagem da animação para a educação.
Durante a mesa foram lembrados os 10 anos de construção desse projeto que segundo Simone Monteiro, possibilita a ampliação do patamar cultural, o contato com outras narrativas e outras relações estéticas que interferem nesse processo, oferecendo a possibilidade da construção de outras narrativas, através da experiência com o outro. E nesse contexto enfatizou que o projeto está inserido dentro das possibilidades do audiovisual na escola, assim como o projeto Cineclubes nas escolas.
O momento possibilitou muitos encontros e suscitou muitas ideias para o campo de pesquisa do ensino fundamental!
Érica Rivas Gatto.

28 de jul de 2011

Apresentações em AVANCA - Portugal.

Férias... Mas nem tanto! Pois não é que até mesmo em nossas férias oficiais da pesquisa e das aulas na UNIRIO lá vamos nós para um novo Congresso... 
A prof Adriana e a mestranda Aldenira estiveram em Portugal junto com o prof Pedro - parceiro do grupo de pesquisa -, na cidade de Avanca, pequena cidade do interior de Portugal, para participar da II Conferência Internacional de Cinema de Avanca. Nela pudemos apresentar um pouco do que estamos pensando por aqui no Brasil e conhecer pesquisadores portugueses e de outras nacionalidades interessados em trocar experiências conosco. 
Abaixo colocamos algumas fotos que marcam esses momentos vividos.
 Mesa de debate das apresentações. 
Presentes em ordem na foto os professores Pedro, Adriana, 
o prof  e a mestranda Aldenira. 

 Momento do almoço - onde as trocas se efetivam...

 
Depois do almoço - a conversa continua nos corredores...

 Os professores Pedro e Adriana e a mestranda Aldenira na Estação de AVANCA.

É claro que depois de um semestre intenso de trabalho apresentando trabalho até nas férias nós também merecemos um descanso. Até meados de agosto!

Adriana Hoffmann Fernandes

21 de jul de 2011

Notícias do campo de pesquisa do Ensino Fundamental

No último dia 08/07 estivemos na Escola Municipal Emygdio de Oliveira que é um dos campos de pesquisa O cinema e a narrativa de crianças e jovens em diferentes contextos educativos,  onde exibimos o filme Filhos do Paraíso para as crianças do 5º ano. Esse encontro foi um momento muito proveitoso para as crianças que permaneceram atentas as cenas do filme, vivenciando os momentos retratados com muita emoção, demonstrando sensibilidade à experiência do cinema na escola.
Após a sessão demos início a um debate com as crianças que nos surpreenderam com seus olhares sensíveis e com comentários interessantes sobre esse filme poético.

16 de jul de 2011

Férias!

Nosso grupo resolveu encerrar o semestre da forma que a gente mais gosta: no cinema. Tivemos um descontraído (e frio) encontro no Estação Botafogo para assistir o delicioso filme francês Potiche, a esposa troféu e conversar sobre nossas ações realizadas até o momento e as futuras dentro da pesquisa. Lembrando que sentimos a falta de Vanessa e Isis, mas no próximo elas estarão presentes sem dúvida.
Boas férias para todos nós e até agosto!
Thamyres Dalethese



14 de jul de 2011

CINEOP – 6ª Mostra de Cinema de Ouro Preto

Parte de nosso grupo esteve presente em junho de 2011 na 6ª Mostra de Cinema de Ouro Preto - Seminário Brasileiro: fatos e memória. Dentro desse tradicional seminário, participamos das palestras sobre Cinema e Educação e do III Encontro da Rede Kino (Rede Latinoamericana de Educação, Cinema e audiovisual). Essa rede foi criada em agosto de 2009 e congrega pessoas e instituições para discutir questões e implementar ações relacionadas a essas áreas. Esse encontro foi um momento muito significativo pois pudemos representar o nosso grupo da  UNIRIO estreitando os laços com pesquisadores e professores que atuam na área de cinema e de audiovisual na educação. O resultado dos acordos firmados nesse encontro estão expressos na Carta de Ouro Preto. Para maiores informações acessem o site: www.cineop.com.br


Profª Adriana e Aldenira (mestranda) no CINEOP em Ouro Preto


A cidade "no clima" do CINEOP vista de longe...

Mesa História, preservação, Educação: escolas, universidades e arquivos, com Anita Leando da ECO-UFRJ, Inés Dussel do DIE - México, Luis Souza e Rosália Duarte. 

Foto dos participantes da Rede Kino e do Encontro de Arquivos Audiovisuais


Aldenira Mota do Nascimento 

3 de jul de 2011

Debates iniciais sobre narrativas

Em nossos últimos encontros, estivemos discutindo o conceito de narrativas, que afinal permeia o processo teórico-metodológico de nosso estudo sobre cinema e educação. Tendo como ênfase o conceito de Walter Benjamin que entende a narrativa como marca das experiências dos sujeitos lemos e discutimos o texto O narrador, que certamente irá ser mais estudado e aprofundado. 
Contudo, vale ressaltar que esta leitura ainda causa divergência de pontos de vista e interesse entre os membros do grupo de pesquisa como percebido em nossa última discussão sobre este texto. As participantes Mirna e Maysa situaram o pensamento do filósofo para  os tempos atuais, no que Benjamin sinaliza para o detrimento da figura do narrador pelo capitalismo por sua lógica de reprodução. Segundo elas levantaram, o surgimento da imprensa para Benjamin pode ser entendido tambem com as novas formas de relação construídas pela internet, no que se refere ao enfraquecimento da narração. Aldenira parece nao concordar muito com essa ideia, pois para ela podemos pensar numa outra concepçao de narrativa que se constrói que não se limitam apenas a narrativa oral, como é pensada por Benjamin.
Vemos que ainda há muitas ideias a serem construídas e compartilhadas, mas como nos lembra Adriana o objetivo ao discutirmos o texto na reunião é começar a pensar como a narrativa que é pensada por Benjamin pode orientar nosso percurso de pesquisa. 

Postado por: Thamyres Dalethese 

30 de jun de 2011

Notícias sobre as apresentações no REDES

No dia 8 de junho, algumas integrantes do Cine Narrativas estiveram no Seminário Redes na UERJ apresentando seus trabalhos referentes aos eixos da pesquisa que estudam as narrativas com o cinema de crianças e jovens. Abaixo, algumas imagens das apresentações e do evento. 



A mestranda Érica e as graduandas participantes da pesquisa Maysa e Thamyres apresentando o trabalho que contextualiza o campo do Cine CCH.


A apresentação da prof Adriana e da mestranda Aldenira e da voluntária integrante do grupo Mirna.


Por ordem na foto estão as alunas Thamyres (pesquisa), o sociólogo Michel Maffelosi, e as alunas Maysa (pesquisa) e Carolina do PIBID.

Thamyres, Maysa e Renata (bolsistas da pesquisa)  na abertura do evento com palestra do prof Maffesoli.

29 de mai de 2011

Palestra da Profª Maria Cecília de Souza Minayo

Algumas considerações feitas pela Mirna Juliana do Cine Narrativas sobre a palestra da Profª Maria Cecília de Souza Minayo no III Encontro com Pesquisadores que ocorreu no Auditório Paulo Freire no dia 24/05, que podem nos ajudar a pensar nossos trabalhos metodológicos. 


Os parâmetros científicos são dados pelo método. Todo assunto estudado deve ser problematizado, senão se torna um assunto do senso comum. Essa problematização deve ser embasada pela revisão teórica/literária.
Além da parte operacional se usa a criatividade para montar a pesquisa. É por aproximação e aperfeiçoamento que se faz a pesquisa qualitativa. A obra resultante da pesquisa qualitativa é uma obra interfertilizada.
Os seguintes elementos de um texto científico fazem com que qualquer texto possa ser lido por qualquer pessoa no mundo:
Conceitos – unidades de significação.
Categorias – formas de classificação.
Noções – conceitos inacabados, incompletos, obscuros.
Hipóteses –  aquilo que eu acho, mas não tenho certeza.
Vale ressaltar que a classificação ajuda a compor o conceito. Ambos, classificação e conceito, são históricos e se diferenciam de uma sociedade para a outra.
Científico é um trabalho que tem um método.
Na pesquisa social, sobretudo na pesquisa empírica, a intersubjetividade não é um defeito, ela é uma necessidade, pois não conseguirei fazer uma boa pesquisa se eu não tiver empatia com o meu objeto.

As Ciências Sociais podem ser caracterizadas sob os seguintes aspectos:
1º ponto: é uma ciência histórica; o objeto de estudo quase sempre são sujeitos.
2º ponto: é eminentemente qualitativa, isso não quer dizer que não seja levado em conta a quantitatividade. A pesquisa qualitativa está ligada à subjetividade dos sujeitos.
3º ponto: o seu objeto de estudo tem as mesmas características do sujeito. Ao se trabalhar com sujeitos a produção é ainda subjetividade que precisa ser trabalhada através do método. Se temos um bom método, melhor é a nossa produção em ciências sociais.
4º ponto: caráter ideológico das ciências sociais. Existe uma impossibilidade estrutural das ciências sociais de serem neutras. A objetivação do conhecimento será maior ou menor conforme o método, o conhecimento e experiência do pesquisador.

Minayo sempre que termina uma pesquisa leva os resultados para seu campo, chama as pessoas significativas do campo de pesquisa para conversar sobre o relatório preliminar da pesquisa antes de fazer o seu relatório final.

Livros da autora citados na palestra:
La artesania de la investigatión cualitativa
Comentários sobre o livro:
Pesquisa Social: teoria, método e criatividade
Comentários/resumos sobre o livro:
http://www.histedbr.fae.unicamp.br/res1_9.html
http://www.webartigos.com/articles/49268/1/RESUMO-DO-LIVRO-PESQUISA-SOCIAL-TEORIA-METODO-E-CRIATIVIDADE/pagina1.html
O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde
Comentários/resumos sobre o livro:
http://www.qir.com.br/?p=2906

Mirna Juliana Santos Fonseca

20 de mai de 2011

"O sujeito receptor da/na contemporaneidade", de Adriana Hoffmann Fernandes


Continuando as discussões sobre o papel do receptor, um outro texto que fará parte das leituras do nosso grupo de pesquisa é o da Profª. Drª. Adriana Hoffmann Fernandes, intitulado "O sujeito receptor da/na contemporaneidade".

Nesse texto, a professora lança uma reflexão sobre como o sujeito receptor está sendo pensado atualmente no mundo contemporâneo e refere-se ao termo sujeito entendendo-o como indivíduo ativo, sujeito de suas próprias escolhas. Como nos últimos anos o interesse pelo estudo do leitor, consumidor, receptor, usuário - não importa que nomes usemos para nomeá-los - tem se ampliado, a maciça presença deles só denota o quanto a preocupação com o sujeito tem permeado os estudos das diferentes áreas. Ele é o receptor na TV e no cinema, é o leitor na literatura, é o consumidor na propaganda, marketing e em alguns estudos de comunicação, é usuário no design mas acima de tudo, em todos, ele é sujeito. A autora considera o olhar para as questões do sujeito contemporâneo como interdisciplinar. Ela ressalta que a sociologia, a antropologia, a educação, a comunicação, o design e outras áreas acrescentam visões e complementam-se nessa construção. 

Esses são apenas pontos iniciais das inúmeras discussões sobre o sujeito receptor trazidas pelo texto. 

O texto on-line está disponível no site do Grupo de Pesquisa em Educação e Mídia (GRUPEM) coordenado pela Profª. Drª. Rosália Duarte da PUC-Rio. www.grupem.pro.br/docs/artigo8.pdf 

15 de mai de 2011

Roda de Leituras - O campo de pesquisa em Petrópolis


Este é mais um campo da pesquisa da UNIRIO O cinema e a narrativa de crianças e jovens em diferentes contextos educativos que ocorre em parceria com a pesquisa da UCP Formação do Leitor com Imagem & Textos em Rodas de Leitura. A proposta das rodas com filmes é uma pesquisa com a parceria entre os professores Adriana Hoffmann (UNIRIO) e Pedro Garcia (UCP), com o Ensino Médio integral no Colégio D. Pedro II em Petrópolis. As rodas com filmes são realizadas desde 2010 com a exibição de filmes e debates com jovens do Ensino Médio Integral.

Uma experiência que na abertura deste ano contou com a participação de jovens educandos de três turmas do 2° e 3° anos, professoras e pesquisadores na exibição do filme alemã datado de 2003, Adeus Lênin! No riquíssimo debate que se desenvolveu após o filmes, os jovens demonstraram sensibilidade a temática e intimidade com alguns recursos do cinema.

No segundo semestre Adeus Lênin será exibido no auditório Paulo Freire, no CINE CCH na UniRio. Será uma oportunidade imperdível pois estamos esperando que também resulte de intenso debate entre os espectadores.  Cada campo abre questões instigantes e este se mostra promissor!

Kelly Maia 

10 de mai de 2011

Leituras sobre o receptor

Nessas duas últimas semanas, nosso grupo vem estudando e debatendo o texto de Mauro Wilton de Souza "Recepção e comunicação: a busca do sujeito" em que o autor analisa as transformações ocorridas em diferentes campos teóricos nos modos de se pensar cultura, sociedade e comunicação. Discutindo sobre a relação emissor/receptor, sua leitura nos leva refletir sobre os sujeitos de nossas pesquisas junto com outros autores. Assim, aproximamos suas discussões as de outros estudos que contribuem para pensarmos em nosso trabalho. Uma dessas contribuições é o de Rosália Duarte sobre cinema e educação, que nos ajuda a pensar no espectador como sujeito. Ou seja, no espectador como alguém que também produz cultura e interage nos/com os meios de comunicação.

Thamyres Dalethese

24 de abr de 2011

Palestra Milene Gusmão (UESB) -13/04

No dia 13/04 parte do grupo de pesquisa esteve na UFRJ para assistir uma palestra da prof Milene Gusmão da Universidade do Sudoeste da Bahia (UESB) a convite da prof Adriana Fresquet da UFRJ, nossa parceira de pesquisa.

Milene Gusmão nos apresentou o projeto de extensão "Janela Indiscreta" que existe na UESB há 19 anos. No início um projeto pequeno agora esse projeto já virou um programa de extensão abrigando dentro dele vários outros projetos e estando associado ao seu grupo de pesquisa na Universidade entitulado "Cinema e Audiovisual: memória e processos de formação cultural" coordenado pela professora Milene.

A palestra de Milene nos deu boas idéias para nossa pesquisa em sua articulação com a extensão. Para quem quiser saber mais sobre seu projeto informamos o site que muito bem feito informa sobre o projeto em suas ações e a pesquisa associada a ele: http://www.janelaindiscretauesb.com.br/

Adriana Hoffmann

   

12 de abr de 2011

Produções de artigos do grupo para o Seminário Internacional REDES


Nosso grupo se dedicou nesses meses iniciais do ano na produção de textos relacionados a pesquisa com os sujeitos jovens. Tais artigos estão sendo propostos para apresentação no Seminário Internacional REDES de Tecnologias que acontece na UERJ.
São 3 os textos que produzidos pelo grupo de pesquisa para o evento: 
1 - O cinema e a narrativa de jovens licenciandos na UNIRIO: observações iniciais do projeto CINE CCH - Érica, Thamyres e Maysa
2- Cinema e Educação: reflexões em curso no repensar sobre a formação de jovens professores - Adriana, Aldenira e Mirna
3- Narrativas filmicas, internet e jovens: reflexões em diálogo com os teóricos - Kelly e Renata

             Os interessados podem ver o site do evento pelo endereço:  http://www.seminarioredes.com/

Mais próximo daremos notícias para os que desejarem conhecer melhor as produções do grupo possam vir dialogar conosco no evento.

             Até lá!

Adriana Hoffmann

1 de abr de 2011

Palestra de Alain Bergala

 O próprio Bergala na mesa de debate


Um dos filmes exibidos e discutidos por eles com a plateia de crianças



Frente do Cine Odeon antes da aula inaugural 

Aldenira, Renata, Isis, Adriana e Thamyres em frente ao Odeon



Vejam outras notícias sobre o dia em que estivemos lá nos links abaixo...
http://www.tvcultura.com.br/educacaoemdia/blog/34030

http://oglobo.globo.com/educacao/mat/2011/03/21/projeto-imagens-em-movimento-leva-cinema-dez-escolas-municipais-do-rio-924052958.asp

19 de mar de 2011

Palestra na PUC - RJ - William Corsaro


O nosso grupo foi convidado pela professora Sônia Kramer para participar da conferência "A importância da cultura visual das crianças: uma pesquisa etnográfica longitudinal na Educação Infantil e no Ensino Fundamental", que foi proferida pelo professor William Corsaro, da Universidade de Bloomington - Indiana, uma das maiores referências internacionais nos estudos de sociologia da infância. Nesse dia tivemos também o lançamento de um livro do autor.
No dia 16 de março, no auditório do RDC – PUC – Rio, algumas integrantes do grupo tiveram o privilégio de beber desse saber... E como disse a professora Adriana H. Fernandes: “(...)foi muito bom ouvirmos o prof. Corsaro falando da sua pesquisa e ver as relações próximas ou não com a nossa pesquisa. É sempre bom pensarmos a nossa pesquisa ao dialogar ou ouvir a pesquisa de outros. As palestras sobre pesquisa são boas para isso. Ajudam a situar melhor os nossos campos, leituras e metodologias de pesquisa. Dão sempre um bom debate... E desmistificam o fazer pesquisa como algo ‘de outro mundo’”. Vejam algumas fotos do evento!









Por: Aldenira e Thamyres

16 de mar de 2011

Começando o ano

Este ano, demos início aos encontros do grupo de pesquisa no dia 14/02 com a chegada de novas integrantes, todas muito bem-vindas!
Nossas discussões iniciais giraram em torno da listagem de filmes para serem exibidos esse ano no Cine CCH. Com todas puxando os fios de suas memorias cinematográficas com diversas e ótimas sugestões.  Acabamos com uma lista extensa e diversificada e foi decidido que faríamos uma votação entre professores da UNIRIO e os alunos do Curso de férias sobre Cinema e Educação para ajudar-nos na definição dos filmes. Dessa forma a comunidade acadêmica, professores e estudantes, atuaram como parte do nosso projeto.   
Além do Cine CCH, falamos, sobretudo, a respeito de alguns eventos que terão este ano que podemos participar como o Seminário Internacional Redes e o SOCINE. Com isso, cada uma falou sobre suas ideias e propostas dentro do projeto “O cinema e a narrativa de crianças e jovens” da Profª Adriana Hoffmann.
Nossa primeira leitura esse ano foi o texto Estudos Culturais: uma introdução. Discutimos sobre a transformação das teorias sobre cultura com o surgimento de movimentos e ideias que deram um novo olhar para a cultura popular, em detrimento do pensamento de cultura como produto de elite. Com isso, pretendemos nos aprofundar mais nesses estudos para prosseguirmos aos Estudos Culturais Latino-Americanos, que teremos como referencial teórico em nossas pesquisas.